A Evolução da Acreditação

Entre as mudanças que ocorreram no mapa da acreditação, um dos destaques é a diversificação das metodologias internacionais adotadas pelas instituições de saúde brasileiras. Em entrevista à Revista Melhores Práticas, o coordenador de saúde da DNV GL, Eduardo Ferraz, fala sobre a evolução do mercado e sobre a trajetória da DIAS/NIAHO, que chegou ao país há sete anos.

MELHORES PRÁTICAS: Como a DNV GL vê a evolução da acreditação no Brasil nos últimos 7 anos?

Eduardo Ferraz: Nesses últimos anos, a DNV GL trabalhou a saúde como foco estratégico por acreditar que assim é possível contribuir para a melhoria da qualidade assistencial, da segurança do paciente e da sustentabilidade das organizações de saúde.

Apesar do crescimento do número de acreditações/certificações, sabemos que ainda é um número pouco expressivo no Brasil, considerando o número de organizações de saúde existentes. A adesão para o processo de acreditação é voluntária, mas a motivação das organizações considera aspectos relacionados à segurança do paciente, organização dos processos, eficácia, eficiência, sustentabilidade, gestão dos riscos assistenciais, exigências de mercado, critérios de qualificação da rede prestadora pelas fontes pagadoras, competitividade e judicialização, entre outros.

MP: Como a DIAS/NIAHO evoluiu nestes sete anos?

EF: Os requisitos da DNV GL International Accreditation Standard (DIAS) são baseados nos padrões da National Integrated Accreditation for Healthcare Organizations (NIAHO), que foram aprovados pelos centros do Medicare e do Medicaid (CMS), do governo dos Estados Unidos.

Os parâmetros foram adaptados para ter aplicabilidade internacional, com sensibilidade às leis, às práticas e aos regulamentos locais, e foram credenciados pela International Society for Quality in Healthcare (ISQua) e pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).

Temos aproximadamente 500 hospitais que acreditamos ou certificamos nos Estados Unidos. No Brasil, temos cinco hospitais acreditados, um diagnóstico organizacional realizado e um diagnóstico na etapa de agendamento.

Nossa abordagem integra princípios de qualidade e gerenciamento de riscos, com requisitos específicos de ambiente clínico e físico. A acreditação DIAS/NIAHO tem como diferencial a abordagem de três pilares fundamentais para a melhoria das organizações: generalista, com requisitos de sistema de gestão de qualidade; clínico, com foco assistencial e cuidado centrado no paciente; e ambiente físico, que diz respeito à segurança da vida (estrutura). A lista de exigências contempla aspectos-chave da governança organizacional e cuidados clínicos, incluindo o sistema de gestão de qualidade, gerenciamento de medicamentos, gerenciamento de risco proativo, determinações do espaço físico, entre outros.

Essa metodologia torna a acreditação uma ferramenta para identificar oportunidades e implementar mudanças em todos os níveis de uma organização. Ela ainda oferece a melhoria da segurança do paciente e da qualidade dos cuidados, maior gestão e confiança e uma identificação ativa de áreas que precisam ser melhoradas.

MP: Quais são as estratégias e planos para os próximos 7 anos?

EF: A estratégia para os próximos anos é manter e fortalecer continuamente a célula de saúde no contexto mundial, estabelecendo parcerias pautadas na ética, respeito a regras e qualidade nas entregas. Continuaremos a estimular as organizações de saúde a buscar certificações/acreditações e a desenvolver sistemas de gestão integrados, harmonizando requisitos comuns e trazendo os diferenciais de cada norma, agregando valor para o sistema de gestão da qualidade. Assim, continuaremos a contribuir para a difusão e transformação do conhecimento relacionados à gestão e segurança do paciente, impactando na melhoria da qualidade assistencial das organizações de saúde no Brasil.

Eduardo Ramos Ferraz, farmacêutico bioquímico, especialista em Vigilância Sanitária e Gestão de Riscos, auditor/avaliador líder ISO 9001, RN 277, ONA e DIAS/NIAHO. Coordenador técnico da DNV GL Healthcare.